quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

2012


Em 2012 quero escolher:

saúde por dentro e por fora; coisas que aconteçam com mais fluidez e menos esforço; corpo, comidas e momentos mais leves; saber que mereço sorrir sempre e não de vez em quando; curtir minhas conquistas; continuar "abrindo portas" com boas idéias; criatividade e disposição; passear bastante de jipe e voltar a frequentar o meio do mato fresquinho; buscar novas cachoeiras; ler muitos livros maravilhosos; colocar os saxofones na minha vida com mais força e frequência - e tocar gostoso; saber de mim - mais e mais - para que eu perdoe minhas dificuldades e amplie os meus limites, para que cuide bem dos detalhes que me fazem feliz; pessoas que tragam a tona o meu melhor, que tenham bons olhos para a vida...
e mais algumas coisas: ver o por do sol, pegar no orvalho, plantar algumas flores...

domingo, 18 de dezembro de 2011

coisas de escrever


...e se as pessoas tivessem jeito de colorir as outras?
quem iria enverde ser quem?
envermelhe ser quem?
azule ser quem?
amarele ser quem?
tem gente que arcoirisa a gente...

...sobre a beleza e o amor


sentidos
o que se quer...

um cheiro bom
asas no ar
um barco no mar

sentir pelas mãos
a troca que existe
o afeto que insiste

música da palavra
da falada
da cantada

o gosto do sonho
realização
individuação

luz para os olhos
um canto de sorriso aberto
uma certeza de amor por perto

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

...sobre a beleza e o amor


completamente embevecida...
achar palavras é bom...
como buscar e encontrar o ar durante uma crise de falta dele

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

de agora...


ah...o humano em mim...
que busca onde e quando sabe não estar...
por pura fantasia da esperança do encontro
onde, na solidão, vislumbra o cheio em si
que muitas vezes desejaria não perceber tanto
não sentir tanto não querer tanto
para viver a ilusão do ter, do ser com o ser...pleno e para sempre
todos os dias
que por tanto procurar palavras para expressar...
acha na flor o resumo,
a pretensa forma da completa manifestação do bemquerer

sábado, 3 de dezembro de 2011

de agora...


Well, let’s try to do the homework

To tell, threw poems, things about myself...even if it’s murk

What I would really like to try

Is to make rymes easily, with no cry


It’s seems to me, almost impossible

Since even in portuguese is not always possible

To find the words to talk about what I fell

Even if when I am searching for inner heal


But I have to rise in english writing

Like every eye goes on sighting

New things that come and go

And the old ones that let their glow


I will have to stop here

Because the words begin to disappear

I promisse I will do it a lot of times

Until I find my own rymes

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

de agora...


nossa...uma hora dessas...e eu descobrindo coisas importantíssimas sobre mim...monte delas...e uma que dá pra falar: realmente cada pessoa na minha vida tem um lugar diferente, mas muito diferente mesmo...e eu realmente não gosto de sentar em lugares já utilizados anteriormente no coração e na vida de ninguém; isso me incomoda! Assumo!!...sabem aquelas pessoas que usam os mesmo adjetivos com você e você acha que é só com você e não é e muito menos nem foi???...se relacionam ou se relacionaram da mesma maneira com você e com outros??? Pois é descobri que gosto de EXCLUSIVIDADE, mesmo que não esteja ligada a primeiros lugares ou intensidade...não importa isso...MAS PRECISA SER SINGULAR! Pode não ser humilde essa descoberta, mas que é verdadeira e sincera...ah, isso é!!!

domingo, 20 de novembro de 2011

de agora...


tem noites que a gente dorme pra dormir...
tem outras que a gente dorme para o amanhã chegar.

...sobre a beleza e o amor


o que e quem reflete e onde?

deles...


E não é que Machado de Assis entende bem de "...entrado em si..." ?
Claro, como não...

Em Dom Casmurro:

"...mas não escapei a mim mesmo. Corri ao meu quarto, e entrei atrás de mim."

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

de agora...


...tem vez que paro um tempo grande pra ler
tem vez que é pra por viver nas letras que li...

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

de agora...


nada como dar nomes
ao que a gente sente
pelo menos:
uma agulha no palheiro

hoje eu aprendi:

o luto da perda real é um.
o luto da renúncia é outro.....

renunciar é abrir mão do vivo, do que seria possível e desejado
mas...


segunda-feira, 24 de outubro de 2011

de agora...


hora de "entrado em si..."
não...entrada em mim, estrada perdida de mim
movimento por dentro...sem começo e nem fim

hora de esquecer o esforço
sim...respirar silenciosamente então
recolher por um pouco o coração

hora de descansar o ser
mergulhar no sono dos sentidos
deitar os ombros encolhidos

hora de cuidar para dentro
proteger o que de mais meu existe
contra o exposto que insiste

hora de dormir...simplesmente dormir
cegamente dormir
no repouso do corpo
deixar a alma deserta
por uma noite
pelo menos por uma noite...

sábado, 15 de outubro de 2011


e assim vou...
na corda bamba do tempo do mundo
pra não cair no meu tempo sem tempo

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

...sobre a beleza e o amor


tem gente que tem mania de amanhecer a gente por dentro...

sobre o sempre...


será que existe forma de viver em duas linhas paralelas...ao mesmo tempo?

será a escrita o trampolim?
a leitura distração?
os olhos fechados o veículo?
e o corpo? onde que fica?

sábado, 8 de outubro de 2011

musicando...


Glimpse of Immortality


where was I, that couldn't see things

without going there...flowers and old trees

the love inside the forest of us

the life inside the forest of us


hair full of flowers falling from above

through the eyes of childhood

through the pacts of care and affection


who am I that have to live today

after living such things inside and yesterday

that opened my mind, my time

that opened my heart, my time


hair full of flowers falling from above

trough the eyes of childhood

through the promises of love, of love


a glimpse of immortality in twilight

questions starting to be gently solved

because a dream my days can gently go


new inner places

like those leaves in the wind

waiting so long

to truly find us here


hearts are meeting again

and again

and again

domingo, 2 de outubro de 2011

de agora...




sim..precisamos de

lanterna para nossas veredas
e pausa nas certezas

estações de chegada para nosso amor
e coragem para experimentar o sabor

descanso para o olhar
e tempo de abraçar

alternativas de preenchimento nas frustrações
e reparar as constelações

terra fértil pra enraizar
e balão de gás pra sobrevoar

assim...
escrever a tôa
sem ensaio
com ou sem rima
tudo que desfaça
o nó, o medo,
a falta de sentido
da parte cega de mim

sábado, 1 de outubro de 2011

...sobre o sempre...


existe um lugar que não é um... mas, dois
existe um tempo que não é só hoje, mas ontem...sempre
divisa, beira, ponte, entre...
onde o que divide, soma...aumenta...amplia
onde e quem estou?
quem sou?
quem fui?
quem tudo...

domingo, 25 de setembro de 2011

de agora...


quando descobrimos que segredos são permitidos...
a vida fica mais interessante, cheia de substância
segredos...não mentiras.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

de agora...


gente = livro:

tem gente e tem livro
que é um presente
que dá preguiça de ler
que repete o que já foi lido
que proporciona viagens fabulosas
que é um mistério só
que tem que ser percebida nas entrelinhas
que a gente tem vontade de que nunca acabe
que a gente quer muitas vezes
e outras que uma vez só basta
que a gente fica doida pra ler inteira
que é surpresa pura
que parece que conhece a gente
que por fora é linda
mas por dentro é superficial
que nos amplia a visão
e enternece a realidade
que é fácil de ler
que é gostosa de ler
que é cansativa de ler
que a gente não entende
que...
que...
que...
isso não tem fim


terça-feira, 30 de agosto de 2011

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

deles...


"Poesia é trabalho"
Manoel de Barros

coisas de escrever


avelã (hum...)
a vê-la (viver)
a vela (do barco)
a vela (que ilumina)
a vela (a que insiste em acompanhar um casal de namorados)
ave lá (sei lá)

ai ai
essa liberdade eu tenho
liberdade palavral, ou palavrau...sei lá de novo
escrevo, só isso

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

corpo dentro


como respira estando pelo avesso?
como pisa estando sem chão?
quem sou que não sou mais quem era?

terça-feira, 26 de julho de 2011

deles...


"Pois o que estarei dizendo será apenas nu."
"Eu não sou um intelectual, escrevo com o corpo."
(CL-A hora da estrela)

terça-feira, 19 de julho de 2011

de agora...


hoje fui lá na terra de Guimarães
na casa dele...
e é engraçado, porque é a segunda vez
mas foi como se tivesse sido a primeira
assim, do mesmo jeito que sinto quando olho pra lua
fico só imaginando; fingindo que a imaginação o traria em pessoa
fico olhando aquela cidade clara e quente, que dá sede
mesmo no meio do inverno
com aqueles campos abertos
com um boi cá, um acolá
um cachorro magro pela rua
aquela vegetação retorcida
árvores enormes sem folhas
com verdes pendurados como se fossem
árvores de natal em pleno julho
querendo descobrir de onde veio tanta doçura...
um dia eu volto

segunda-feira, 4 de julho de 2011

...sobre a beleza e o amor


não há uma vez sequer que o amor não melhore as coisas...

de agora...


Qual é o caminho entre a teoria e a prática?
Existe remédio pra aumentar sabedoria?
Qual é o limite entre o eu e o outro?
O que é fora e o que é dentro?
Qual é o caminho da paciência?
Vende-se fé, serenidade e coragem em farmácias?
Qual é o caminho de fazer em nós o que falamos para o outro fazer em si?
Pra que que crescer tem que doer?
Onde compro a certeza de que tudo passa?
Existe certeza de alguma coisa?
Alguém tem isso?
Alguém responde?

quinta-feira, 30 de junho de 2011

corpo dentro e deles...


"Que as pernas também são pessoas, apenas inferiores aos braços, e valem de si mesmas, quando a cabeça não as rege por meio de idéias."
(Machado de Assis-Dom Casmurro)

deles...


Machado enfim...
custei mas comecei

"Estávamos ali com o céu em nós."
(Dom Casmurro)

de agora...


girar em torno do próprio umbigo é um perigo
pode acabar por formar
um furacão rumo à solidão

quarta-feira, 22 de junho de 2011

de agora...


falta-me uma relação direta com a coisa em si
a coisa é o que possibilita
falta-me uma relação direta com o tempo marcado
ele é o que é sentido e vivenciado pela vontade
e não pelo relógio; o relógio é coisa
falta-me uma relação direta com o lugar em si
o lugar é o com quem, mas é o onde
viver abstratamente no concreto
caber gasta esforço

segunda-feira, 20 de junho de 2011

de agora...


antíteses e paradoxos na construção da experiência na Terra
medos e coragens, dúvidas e certezas
ensaios intermináveis na descoberta da terra de si mesmo
ah...os que não querem ver...
os que não ousam se conhecer...
mas
o outro tem seu caminho, seu tempo, seu modo, sua força e fraqueza
cada qual com seu quinhão
cuide eu do meu e já é muito
profundo, espiral, intransferível

sexta-feira, 17 de junho de 2011

deles...


"Mas você sabe que sou de trato muito simples, mesmo que a alma seja complexa."

(ClariceL.-De corpo inteiro)

terça-feira, 14 de junho de 2011

...sobre a beleza e o amor


dependendo do que respiro
respirar é boooommmm...
recicla não só o ar
mas, o hálito mental
o sentir
aliás...
onde começa o que
respiro e sinto?
ou sinto e respiro?
ciclos
brisa nova
perfumada
com direito a lua de presente
respirar é preciso!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

da Lú


o caminho do meio da Carol
pode ser bom pra Carol,
o caminho do meio do outro
pode ser bom pro outro
e doido e torto pra Carol...

até pro outro às vezes é torto
porque o outro sempre se pergunta
se o seu caminho é seu ou do outro...

domingo, 12 de junho de 2011

de agora...


há um lugar em mim
um buraco sem fundo
de descobertas sem fim
há um lugar em mim
que é só meu, pra mim

segunda-feira, 6 de junho de 2011

de agora...


e
que
eu
ache
o
sentido
e
principalmente
a
graça
do
meio
sem
ficar
sem
mim
sem
me
perder
do
início
ao
fim
pois
sem
mim
não
...
mas
sei
quem
sou
?


de agora...


espiando...
devagar
pé por pé
movimento
que deixa ver o interno
observação: 360 graus
para dentro
para fora
zona de segurança aos encontros que desencontram, ativada
só quero ver até que dia...
juro que quero acreditar
contratos só de mim
para comigo
sossego, descanso regular
ainda que tardios