segunda-feira, 28 de março de 2011

musicando...


LEVE

Vem leveza, instância por hora distante

Lapidar minha pedra bruta em diamante

Flutua vontade latente, voar

Desejo é qual gota de orvalho pesar


Tal pétala livre ascendente

Sorriso no canto da boca presente

Flauta suave, doce temperança

Então amanhecendo criança


Da parte de mim que me escapa

A semente resiste apesar da aparente escuridão


Me grita, me nasce e aparece

Vem, preenche, me enlevece

É som de sussurro, brisa na pele

Movimento de bailarina, segredo de menina


Asa de borboleta, sutil melodia

Poema desatento, suavidade momento

Nenhum comentário:

Postar um comentário