quarta-feira, 27 de abril de 2011

coisas de escrever




a caneta distante dentro do bolso da camisa de um poderoso que dorme sem saber do tesouro que guarda...
pra mão de quem a deseja vira a própria impossibilidade, simplesmente.
e...de repente...a tampa some e a visão já é da mesma caneta abandonada em algum lugar qualquer...

Nenhum comentário:

Postar um comentário