quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

2012


Em 2012 quero escolher:

saúde por dentro e por fora; coisas que aconteçam com mais fluidez e menos esforço; corpo, comidas e momentos mais leves; saber que mereço sorrir sempre e não de vez em quando; curtir minhas conquistas; continuar "abrindo portas" com boas idéias; criatividade e disposição; passear bastante de jipe e voltar a frequentar o meio do mato fresquinho; buscar novas cachoeiras; ler muitos livros maravilhosos; colocar os saxofones na minha vida com mais força e frequência - e tocar gostoso; saber de mim - mais e mais - para que eu perdoe minhas dificuldades e amplie os meus limites, para que cuide bem dos detalhes que me fazem feliz; pessoas que tragam a tona o meu melhor, que tenham bons olhos para a vida...
e mais algumas coisas: ver o por do sol, pegar no orvalho, plantar algumas flores...

domingo, 18 de dezembro de 2011

coisas de escrever


...e se as pessoas tivessem jeito de colorir as outras?
quem iria enverde ser quem?
envermelhe ser quem?
azule ser quem?
amarele ser quem?
tem gente que arcoirisa a gente...

...sobre a beleza e o amor


sentidos
o que se quer...

um cheiro bom
asas no ar
um barco no mar

sentir pelas mãos
a troca que existe
o afeto que insiste

música da palavra
da falada
da cantada

o gosto do sonho
realização
individuação

luz para os olhos
um canto de sorriso aberto
uma certeza de amor por perto

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

...sobre a beleza e o amor


completamente embevecida...
achar palavras é bom...
como buscar e encontrar o ar durante uma crise de falta dele

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

de agora...


ah...o humano em mim...
que busca onde e quando sabe não estar...
por pura fantasia da esperança do encontro
onde, na solidão, vislumbra o cheio em si
que muitas vezes desejaria não perceber tanto
não sentir tanto não querer tanto
para viver a ilusão do ter, do ser com o ser...pleno e para sempre
todos os dias
que por tanto procurar palavras para expressar...
acha na flor o resumo,
a pretensa forma da completa manifestação do bemquerer

sábado, 3 de dezembro de 2011

de agora...


Well, let’s try to do the homework

To tell, threw poems, things about myself...even if it’s murk

What I would really like to try

Is to make rymes easily, with no cry


It’s seems to me, almost impossible

Since even in portuguese is not always possible

To find the words to talk about what I fell

Even if when I am searching for inner heal


But I have to rise in english writing

Like every eye goes on sighting

New things that come and go

And the old ones that let their glow


I will have to stop here

Because the words begin to disappear

I promisse I will do it a lot of times

Until I find my own rymes