domingo, 7 de outubro de 2012

de agora



mata minha sede que não tem nome dessa água que não posso beber

2 comentários:

  1. Carolina, lindos versos de introspecção, feitos com sua doce inspiração. Quero ler muitos outros, escritos com sua alma. Parabéns.
    iara.

    ResponderExcluir