terça-feira, 9 de outubro de 2012

Musicando


Minhas estações

Oniricamente invento em mim a vida sem tempo
Asas de corvo, outono e incenso
Nas brumas, meus olhos incertos
Me buscam, me trazem pra perto

No meu sentimento, preciso de alento por dentro

Existe um lugar de inverno em mim
Onde entro e encontro um frio sem fim
Deserto parece perene semente sem chão
Que seca sem brilho, sem inspiração

No meu pensamento, preciso de alento por dentro

E quando setembro se aproxima
Trazendo a flor, o perfume puro que anima
É hora de ouvir o canto da vida
Sentir-se inteira, amada e querida

De dentro de mim, recebo o tão desejado alento por dentro


4 comentários:

  1. Sempre contamos com este alento para afagar nossa existência e nosso coração.

    ^^

    Também postei no meu blog, fiz um conto, "No Dormir",dá uma olhada lá.

    Bjo.

    ResponderExcluir
  2. Adorei!!! Adorei!!! E adorei teu jeito de escrever!!!!

    Encantada!!!!

    Abraços!!!

    ResponderExcluir